Reforma da Previdência aprovada: investir em ações ou imóveis?

Reforma da Previdência aprovada: investir em ações ou imóveis?

A Reforma da Previdência foi aprovada em 2º turno no dia 22 de outubro, com voto favorável de 60 senadores. A medida é uma tentativa do Governo Federal de equilibrar as contas públicas. 

Tal ação tem impacto direto na vida de todos os brasileiros e na economia do país, uma vez que a tendência é a contenção de aproximadamente R$ 900 bilhões para as contas públicas nos próximos 10 anos, segundo texto da reforma.  

A expectativa é que, com a retenção, o país invista mais na área de educação, saúde, infraestrutura, etc, retomando assim o crescimento econômico brasileiro e atraindo investimentos estrangeiros.

Taxa Selic

Mas, antes de falarmos de investimento, vamos entender um pouco sobre um importante indicador que o impacta – a taxa Selic. 

A taxa Selic foi criada pelo Banco Central e pela Andima (Associação Nacional das Instituições do Mercado Aberto),em 1979, com o objetivo de tornar as negociações de títulos públicos mais transparentes e seguras.

Selic, termo que quer dizer sistema especial de liquidação e custódia, é a taxa básica de juros da economia e o principal instrumento de política monetária utilizado pelo Banco Central para controlar a inflação. 

Em outubro de 2019, a taxa registrou uma queda histórica, atingindo 5% ao ano. Esse novo patamar de juros decorreu do cenário de retração econômica e da inflação baixa. Ademais, a reforma da previdência aprovada também contribuiu para isso, pois significa um avanço importante no controle de gastos públicos. 

Investimento em imóveis

Investir em imóvel, seja ele residencial ou comercial, é a forma mais tradicional de investimento. Todos precisamos de um abrigo, um local para trabalhar, estudar, fazer compras etc.

Dessa forma, adquirir um imóvel é garantia de segurança, pois o mercado imobiliário é estável e, por maior que seja a crise econômica ou política vivida, ele é imune à quebra dos bancos, não correndo o risco de ser congelado pelo governo. Vale ressaltar ainda que os valores dos imóveis também acompanham a inflação, sendo assim um investimento adequado a toda mudança de cenário.

Ademais, possuir uma propriedade e gerar renda a partir de seu aluguel pode ser um ótimo negócio. Existem muitas pessoas que não têm condições de arcar com as parcelas de financiamento da casa própria e, por isso, dependem do aluguel.

Com a menor taxa Selic registrada, desde sua criação, em outubro de 2019, a tendência é o aquecimento do mercado imobiliário para 2020.

Por se tratar de uma taxa de financiamento no mercado interbancário, a Selic funciona como uma espécie de índice base para todas as taxas de juros cobradas pelos bancos. Logo, a influência no mercado imobiliário ocorre devido à interferência desta taxa em outros tipos de juros no mercado financeiro nacional, especialmente no financiamento imobiliário. 

Na prática, isso significa que quando a Selic diminui, a procura por negociações no setor imobiliário aumenta, pois as parcelas de financiamento ficam mais baixas. Já quando a taxa está elevada, os juros também aumentam e os consumidores evitam adquirir um imóvel. 

Dessa forma, este é o momento propício para quem quer investir em um imóvel e pretende financiá-lo. 

Investindo em ações

Assim como investir em imóveis, investir em ações também podem garantir um retorno financeiro muito bom. Aplicar dinheiro nesses ativos significa que, de alguma forma, você tem participação na empresa em que está investindo. 

As ações são a menor parte de uma empresa. Elas podem ser compradas e vendidas na hora que o investidor quiser, e o imposto de renda é cobrado sobre o lucro somente na saída e quando for maior que R$ 20 mil. 

Diferentemente de comprar uma casa, para investir em ações não é necessário ter muito dinheiro, o que se torna algo bastante vantajoso.

Além disso, você não estará emprestando o seu dinheiro para entidades pagarem dívidas com juros. Você se tornará sócio de uma companhia e também lucrará de acordo com seu crescimento dela. 

A Bolsa de Valores tem um papel muito importante de criar, organizar e regular o mercado em que as ações possam ser vendidas com transparência e credibilidade. 

Porém, a Bolsa de Valores está sujeita à muitas variações, de alta a queda, pois ela depende de fatores externos, como o cenário internacional, a economia nacional, e até mesmo informações sobre lucratividade, repassadas pelas empresas. 

Conclusão

Nesse cenário, o investimento em imóveis se torna mais rentável, pois ele independe de fatores externos, principalmente se você visa um retorno imediato, diferentemente de ações, que dependem do bom desempenho da Bolsa de Valores, como explicado acima. 

Não que investir em ações seja um péssimo negócio.Muito pelo contrário. Para quem tem pouco capital, é uma ótima opção. Mas é preciso ter paciência e disciplina, pois os investimentos a longo prazo são mais trabalhosos. 

2 Replies to “Reforma da Previdência aprovada: investir em ações ou imóveis?”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *