• 16 de outubro de 2021
  • Last Update 14 de outubro de 2021

Mercado imobiliário do DF no mês de janeiro 2021 bate recordes históricos

Recorde histórico se baseou em uma serie de fatores quem vêm influenciando o mercado imobiliário desde o ano passado

Definitivamente a pandemia deu uma ressignificação ao imóvel e ao ato de morar, mais do que nunca a denominação de “lar” e de “morar em família” foi importante nestes 10 meses de reclusão e isolamento social.

Além do problema do Coronavírus, especialistas afirmam quatro outros importantes fatores para o aumento constante das buscas por imóveis: o home office, as mais baixas taxas de financiamento imobiliário da história do Brasil, as quase insignificantes taxas de rentabilidade das rendas fixas, a queda da bolsa de valores e a alta no reajuste dos aluguéis baseados no IGPM.

Segundo a Consultoria Buildings, a taxa de vacância dos imóveis comerciais nas principais capitais do Brasil aumentou em 2020 algo entre 17% a 24%, sendo que estes imóveis já vinham enfrentando uma alta vacância em média de 13% antes da pandemia. Ou seja, antes de 2020 a economia já não estava boa, mas tudo indicava que seria um ano melhor que 2019, contudo, em março com a pandemia muitas empresas foram obrigadas a trabalhar em home office e hoje pode-se afirmar que a maioria das empresas acabaram adotando este novo modelo de trabalho para seus funcionários.

Atualmente o mercado conta com as menores taxas de juros da história para financiamentos imobiliários do Brasil. De acordo com o Presidente da ADEMI-DF, Eduardo Aroeira, em 2019 estes juros eram de até 12% ao ano e atualmente as taxas são de 6,12% ao ano. Ou seja, em muitos casos os valores da prestação dos financiamentos caíram em mais de 40%.

A elevada alta do IGP-M, indicador que mede a variação de preços para reajustes dos contratos de aluguel, no acumulado de 2020 chegou a 23,14% ao ano; isto fez com que muitas famílias que pagavam aluguel passassem a buscar novos imóveis, sendo que aqueles que guardaram dinheiro e viram os seus rendimentos em renda fixa e/ou em bolsa de valores caírem assustadoramente, começaram a buscar a aquisição de novos lares como uma maneira de investimento, preservar capital e melhoria de moradia familiar. Segundo Raul Costa, especialista em crédito Imobiliário, para imóveis na faixa de R$ 500.000,00, atualmente, dando 20% de entrada e financiando o restante em até 420 meses, o valor da prestação fica até menor que o valor dos aluguéis. Já para Ricardo Valim, Diretor da Know-How Imobiliária, aproximadamente 70% das vendas de 2020 em sua imobiliária vieram de inquilinos que compraram o próprio imóvel que alugavam.  

Outro fator foi a saída de investidores das aplicações de renda fixa e principalmente da bolsa de valores, alicerçando o seu capital em imóveis residenciais para locação, algo muito cultural em Brasília-DF, fato que ocorre desde o início da construção da capital.

Segundo o levantamento do Portal Imobiliário DFimoveis.com, em janeiro de 2021 a busca por imóveis cresceu 73,22% se comparada a janeiro de 2020, foram mais de 11 milhões de páginas visitadas, por mais de 350 mil usuários. Já segundo o estudo de Registro de Imóveis da ANOREG-DF, o número de Registro de Compra e Venda efetivadas nos Cartórios de Notas cresceu 15,64% comparando janeiro de 2019 com 2020, totalizando 2.803 registros de imóveis. O recorde de 2019 foi o mês de dezembro com 3.898 registros, seguidos por julho 3.748 e outubro 3.698; sendo o pior mês abril com 1.080 registros, mês seguinte ao lockdown, seguido por maio com 1.682 registros. Contudo, em junho de 2020 já se constatou o início das altas de 11,56% com 2.595 registros, se comparado a junho de 2019. Ou seja, as famílias brasilienses efetivamente adquiriram novos lares em 2020 e começaram, em janeiro 2021, aceleradas nas buscas e mantiveram as compras acima da média de 2020.  

E onde investir? Segue a lista das 12 Regiões mais buscadas no Portal Imobiliário DFimoveis.com:

01 – Águas Claras

02 – Asa Norte

03 – Guará

04 – Taguatinga

05 – Asa Sul

06 – Sobradinho

07 – Jardim Botânico

08 – Sudoeste

09 – Samambaia

10 – Vicente Pires

11 – Lago Norte

12 – Lago Sul


Algumas dicas básicas para a compra do imóvel próprio: 


• investir segundo capacidade de pagamento, por exemplo, comprometendo para financiando no máximo 25% da “renda líquida”, segundo o presidente do SECOVI-DF, Ovídio Maia.
• Se o imóvel for de revenda, checar toda a documentação do imóvel para saber se este é seguro: certidões dos imóveis, de ônus do cartório competente e de IPTU; já os proprietários devem tirar todas as certidões negativas dos tribunais, da Justiça Federal, da Fazenda, Receita, INSS e trabalhista, afirma o presidente da ANOREG-DF.
• Se o imóvel estiver em construção, a Cartilha do SINDUSCON-DF e ADEMI-DF sugere: conferir o Memorial de Incorporação, verificar a qualidade técnica da construtora visitando obras já concluídas, conversar com o síndico para saber como é o tratamento pós-obra e checar a condição financeira da construtora.
• Como forma de manter a compra segura, o Portal DFimoveis.com oferece Selo Imóvel Seguro, um selo dos Cartórios para Imóveis ofertado pelas principais imobiliárias, construtoras e corretores.

Related Articles

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *