• 1 de março de 2024
  • Last Update 1 de março de 2024

Morar na Ceilândia é bom?

A Ceilândia, conhecida também como a 9º Região Administrativa do Distrito Federal, foi criada em 1989, pela Lei nº 49/89 e o Decreto nº 11.921/89, sendo desmembrada da RA III – Taguatinga. No entanto, a região foi fundada em 27 de março de 1971, e surgiu em decorrência da Campanha de Erradicação de Favelas – CEI, primeiro projeto a atuar no Distrito Federal.

Conhecida por sua raiz nordestina e toda a variedade que a RA fornece, com seus espaços culturais e a conhecida Feira Central de Ceilândia são símbolos da identidade ceilandense.

Além disso, os empreendimentos imobiliários que chegaram na região nos últimos anos, assim como em outras RA’s, deram uma maior visibilidade à Ceilândia.

Veja abaixo algumas informações que separamos para você saber como é morar na Ceilândia.

O que você irá ver neste Texto


Caracterização da População Urbana

A população da RA é composta por 350.347 habitantes, segundo a Pesquisa por Amostra de Domicílio – PDAD. Com isso, 47,4% dos moradores são homens, enquanto 52,6% são mulheres.

O grupo dos que possuem entre 35 e 39 anos representa 23,44% da população da região, enquanto isso, 22,74% possui de 20 a 24 anos.  

Além do mais, em relação ao estado civil dos habitantes, o grupo predominante é o de solteiros, que representa 45,8%. Seguido por eles, estão os casados ou em união estável (44,5%) e viúvos (4,4%).



Migração

A população possui um número menor de imigrantes (48,33%) do que de nascidos na região (51,67%). E, diferente de outras regiões administrativas, o principal estado de origem dos imigrantes que moram na RA é o Piauí (15,3%).

E, ainda, o principal motivo da mudança dos habitantes foi acompanhar parentes (44,9%). Em seguida, a procura por trabalho representa 25,5% da população que se mudou para a RA.



Características dos Domicílios

O local possui cerca de 142.231 domicílios urbanos e, considerando o número de habitantes (489.351), a média de moradores por domicílios é de 3,44.

No Portal DF Imóveis, estão disponíveis 1.158 casas e apartamentos para venda e 202 para aluguel.




Instrução e trabalho

O índice de instrução na região administrativa é mediano, na qual 35,3% da população possui ensino médio completo, e 17,1% possui ensino fundamental completo. Além disso, o índice de alfabetização chega aos 93,5%.



Renda Familiar e Renda Per Capita

A renda domiciliar média da RA XI é de R$ 2.048,86, portanto a renda por pessoa é de R$ 1.727,50.



Educação

Os moradores de Ceilândia contam com:

  • 1 Centro de Educação Infantil
  • 24 Centros de Ensino Fundamental
  • 6 Centros de Ensino Médio
  • 6 Centros Educacionais
  • 49 Escolas Classe
  • 1 Centro Interescolar de Línguas (CILC)
  • 1 Escola Parque
  • 1 Escola Técnica
  • 1 Centro de Ensino Especial
  • 1 Campus da Universidade de Brasília

O campus da UnB em Ceilândia oferece os cursos de Enfermagem, Farmácia, Fisioterapia, Saúde Coletiva, Terapia Ocupacional e Fonoaudiologia. Apenas áreas da saúde.



Transporte

Mesmo sem estações de metrô, a RA possui cerca de 23 linhas de ônibus disponíveis e 48,61% dos moradores utilizam o meio de transporte para se locomover. E, ainda, 23,96% utiliza o próprio veículo para se locomover.

Além disso, a região conta com 5 estações de metrô, na qual 5,49% da população utilizada como principal meio de transporte para o trabalho.



Saúde

A região administrativa possui o Hospital Regional de Ceilândia, 2 Centros de Saúde, 1 Unidade de Pronto Atendimento, 1 Centro de Atenção de Psicossocial e 7 Unidades Básicas.



Segurança

A segurança na RA é composta por 2 Batalhões da Polícia Militar e 4 Delegacias da Polícia Civil.



Cultura e Lazer

Com sua raiz nordestina, o principal símbolo da região é a Feira Central de Ceilândia. A feira iniciou-se nos anos 70, porém, só em 1984 que houve a inauguração, em um local definitivo.

Já a Casa do Cantador funciona como um espaço cultural. Inaugurado em 1986, o local foi desenhado por Oscar Niemeyer. O local possui um teatro de arena, salas e um salão multiuso, e a música nordestina é a principal atração. A programação do espaço também conta com a “Sexta do repente” e o “Sabadão do forró”, que acontece em toda última sexta-feira do mês.

Outro lugar bastante conhecido é a Praça do Cidadão. O local possui uma quadra poliesportiva, parque infantil, arborização, coreto e um espaço cultural.

E, ainda, a praça recebe oficinas organizadas pela organização não governamental Rede Urbana de Soluções Socioculturais. Alguns temas das oficinas são: criação de projetos e portfólio cultural, descobrindo a ABNT, libras e social media, por exemplo.

Referências:

Related Articles

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *